Slider Background

Guia definitivo para ser feliz

de leitura

segunda-feira, fevereiro 27, 2017




Você está lendo esse primeiro parágrafo e já vai percebendo que o autor do texto claramente enganou você. Sim! Isso mesmo! Eu enganei você. Em uma leitura rápida do título você, ávido e ansioso por respostas, achou que encontraria aqui a solução para o seu problema. A fórmula mágica para ser feliz. Poucos serão os que passarão desse primeiro parágrafo, e esse texto foi escrito justamente para demonstrar como seu desejo desenfreado por ser feliz está fazendo você sofrer mais e mais.

Guias e mais guias ensinando como ser feliz e você aí, insatisfeito? Como pode isso? Você deve se perguntar: será que estou seguindo tudo direitinho ou será que devo comprar aquele outro livro daquele autor famoso que tem uma nova fórmula? A verdade é que ser feliz é algo tão simples que você acaba ficando desconfiado. Só depende de você! O problema em si não é saber como se é feliz, mas sim conseguir enxergar novamente a felicidade depois de anos de intoxicação com pensamentos disfuncionais. Acredite, sua visão está apenas turva, e isso influencia sua interpretação, modifica seus pensamentos, e desencadeia emoções equivocadas no momento errado.

>>> Me acompanhe pelo FacebookTwitter e Youtube

Mas por que não existe um guia ou uma fórmula mágica para encontrar a felicidade? Simples, porque para você sentir felicidade você precisa interpretar, e interpretação é algo subjetivo. É algo que só acontece através da sua própria cognição. É como você interpreta a vida que faz de você uma pessoa feliz ou não. Praticamente tudo na vida é neutro, pois possui apenas valor de existência. Somos nós quem damos uma qualificação mais refinada às coisas, e assim dizemos para o nosso cérebro: “dê valor de importância 8 para o meu desejo de conseguir um celular novo daquela marca famosa. Se eu conseguir, aí então aceitarei e estarei satisfeito, e por consequência... feliz.”

Mas acontece que você não fica satisfeito, ou porque não conseguiu o celular novo, ou porque o conseguiu, mas a satisfação durou muito pouco, e aí você parte para uma nova busca. Novo namorado, novo animal de estimação, nova casa, nova roupa, nova bebida. Esse ciclo parece ter uma única função: criar desejos em cima de mais desejos e assim manter você em um fluxo contínuo. Por que você sofre? Porque você não consegue o que você deseja, e se não consegue o que deseja, você não fica satisfeito. A insatisfação faz você sofrer. O apego ao desejo intensifica o sofrimento.

ESSA SENHORA ESTÁ DE BOA, SATISFEITA.

OLHE PARA SUA VIDA, QUANTO MAIS INSATISFAÇÃO,
MAIS APEGO AOS SEUS DESEJOS VOCÊ TEM.

Mas, Mion, como EU faço para ser feliz então? EU NÃO SEI! A única coisa que posso afirmar é que depende mais de você do que de mim. Depende ÚNICA e EXCLUSIVAMENTE da sua interpretação. A responsabilidade é sua! E porque eu digo que não sei? Porque eu não conheço você. Eu não analisei você. Eu não sei como você interpreta os vários e vários fatores que influenciam a sua vida. É só a partir do momento em que você aumenta o seu autoconhecimento e começa a delinear melhor as suas interpretações que você conseguirá perceber que, na verdade, a felicidade está em QUALQUER LUGAR, até mesmo porque a capacidade de percebê-la nunca saiu de dentro de você, apenas perdeu-se em meio a caprichos do seu ego. 

Comece a questionar seus desejos. Você precisa mesmo das coisas que tanto deseja? Enquanto você achar que a felicidade é uma ferramenta para se conseguir alguma coisa, estará fadado a sofrer. A felicidade não tem utilidade em si. Ela não serve como ferramenta. Ela é um estado de contemplação. É uma espécie de lente de contato para os seus olhos enxergarem a vida segundo uma ótima mais leve e de aceitação. Pense nisso!

Para finalizar, um dos vídeos da série que tenho gravado e postados nas redes sociais: 20 segundos, 1 reflexão.



P.S.: Leia meus outros artigos e me adicione nas redes sociais.

Nenhum comentário

Postar um comentário